Original Pinheiros Style

S_IW

Ok, até sua mãe deve conhecer o hino I Wish, um dos raps mais folclóricos dos anos 90. O que muita gente não sabe é que o disco, gravado pelo não menos folclórico MC californiano Skee-lo, é uma pérola do cancioneiro hip-hop estadunidense, além de uma ode ao gênero que em 95 vivia um ótimo momento. As doze faixas de “I Wish” (Altra Moda), que pode ser baixado aqui, são operetas do estilo de produção west coast 90, cheias de samples de soul-jazz, beats gordos e chiados, e as rimas são um caso à parte, fazendo referências a todos os clichês do estilo; mulheres, carros, braggin’, basquete, popularidade, escola… O hit I Wish, executado à exaustão no clássico Yo! MTV Raps, tem um sample da ótima Spinnin‘, do funkman oitentista Bernard Wright, e merece o posto de um dos clássicos mais chicletescos do rap norte-americano – no bom sentido, obviemant. O OPS recomenda que vossa excelência ouça o disco de cabo a rabo, com calma e atento aos maneirismos rítmicos do ano em questão, para uma análise atemporal sobre o clássico. Porque é rap do bom, amigo!

  1. Superman
  2. I Wish
  3. Never Crossed My Mind
  4. Top Of The Stairs
  5. Come Back To Me
  6. Waiting For You
  7. Holdin’ On
  8. You Ain’t Down
  9. Crenshaw
  10. This Is How It Sounds
  11. The Burger Song
  12. I Wish (remix)

18/08/2014, por Pedro Pinhel - nenhum comentário

gal-costa-agua-viva-lp-philips-1978-estereo-com-encarte-4880-MLB4938494060_082013-F

Outro disco pra lá de fodástico da diva Gal Costa, “Água Viva” (Philips, 1978) só perde pro absurdo “Caras & Bocas” quando o assunto é o famigerado Ranking Gal Costa™ do OPS. Pode ser adquirido por um preço beeem baratin no Mercado Livre, embora o Original Pinheiros Style encoraje fortemente que vossa excelência vá à feira, sebo ou loja de discos mais próxima de vossa residência para adquirir a bolacha. De bate-pronto recomendamos a lindíssima Folhetim e a dançante De Onde Vem O Baião, e cravamos que não há faixa ruim no disco em questão. “Água Viva” é o sucessor do impecável álbum “Gal Canta Caymmi”, também de 78, e as altas expectativas foram imediatamente supridas em grande estilo, com um time de músicos que inclui ninguém menos do que Wagner Tiso, Toninho Horta e Sivuca. É, amigo… esse é obrigatório em qualquer coleção.

  1. Olhos Verdes
  2. Folhetim
  3. De Onde Vem o Baião
  4. O Bem do Mar
  5. Mãe
  6. Vida de Artista
  7. Paula e Bebeto
  8. A Mulher
  9. Pois É
  10. Qual é, Baiana ?
  11. Cadê

15/08/2014, por Pedro Pinhel - nenhum comentário

115134968

Produto da parceria entre Junior Mendes e o maestro dos arranjos Lincoln Olivetti, o LP “Copacabana Sadia” (RCA, 1982) é uma máquina de hits. Único disco lançado pelo cantor, compositor e produtor carioca em sua breve carreira, “Copacabana (…)” rendeu uma série de compactos e hits como a faixa-título, a dançante Copacabana Sadia, além das ótimas Rio Sinal Verde, Pedras de Cristal e Toque Tropical – que não faz parte do disco mas foi lançada no mesmo período em sete polegadas. Parceiro de Hyldon, Gastão Lamounier e ex-membro da banda Vitória Régia, de Sebastião Rodrigues Maia, Mendes teve ainda músicas gravadas pela mítica Banda Black Rio, e é considerado figura fundamental do movimento Black Rio do final dos anos 70 e início dos 80. Inflacionado no Mercado Livre e sumido das feiras e lojas especializadas há algum tempo, “Copacabana Sadia” é item de colecionador pra fãs de boogie, funk e soul brazuca de boa qualidade. Corra atrás da sua cópia, amigo!

  1. Copacabana Sadia
  2. Óbvio
  3. Que Signo Você é
  4. Agridoce
  5. Rio Sinal Verde
  6. Supersensível
  7. Hora H
  8. Pedras de Cristal
  9. Via Aérea
  10. Entrego A Deus

15/08/2014, por Pedro Pinhel - nenhum comentário

RJ&LO

Possivelmente o mais antológico dos discos brasileiros quando o assunto é boogie, “Robson Jorge & Lincoln Olivetti (Som Livre, 1982)” marca o auge da parceria entre os mestres Robson Jorge e Lincoln Olivetti. O talento de RJ, exímio guitarrista e tecladista, aliado ao esmero de Lincoln como arranjador, compositor e produtor musical – o melhor da história do país na humilde porém petulante opinião do OPS – formou a mais azeitada das duplas musicais do final dos anos 70 e início dos 80, e nos presenteou com esta opereta do gênero. O OPS recomenda o hino funk Aleluia, perfeito para pistas de dança, e a matora Squash, além do hit Siri Que Marca a Onda Leva, disponível apenas em compacto single, que pode ser encontrado no Mercado Livre por valores acessíveis.

  1. Jorgea Corisco
  2. No Bom Sentido
  3. Aleluia
  4. Raton
  5. Pret-a-Porter
  6. Squash
  7. Fã Sustenido
  8. Zé Piolho
  9. Baila Comigo / Festa Brava
  10. Ginga
  11. Alegrias
19/06/2014, por Pedro Pinhel - nenhum comentário

WB_MB

Gravado em 1965 e lançado apenas no ano de 1975, “Meu Balanço” (CBS) é um dos mais cultuados LPs do guitarrista e maestro Waltel Branco, tido como o pai do funk psicodélico brasileiro. Instrumental e cheio de versões suingadas para clássicos do cancionairo brasileiro, o LP está avaliado em mais de R$500 (confira no Discogs!) e já começa matador com uma versão absurda para a folclórica Luar Do sertão. O disco foi reeditado (apenas em CD) pelo selo inglês Mr. Bongo no ano de 1995, e é uma das formas de acesso a esta pérola rara da música brasileira, já que o LP é mais disputado que ingresso da final da copa no Maraca – e tão caro quanto. Confira e divirta-se!

  1. Luar do Sertão
  2. Sonho no Céu
  3. Meu Balanço
  4. Lady Samba
  5. Apenas Um Coração Solitário
  6. Jael
  7. Walking
  8. Satiricon
  9. Carmen
  10. Meiguiçe
  11. Petit Fils
  12. Zoraia

19/06/2014, por Pedro Pinhel - 1 comentário

WOW! Tijolada na área! O Dj e jornalista californiano Allen Thayer acaba de confeccionar esta pérola de 80 minutos em homenagem aos 60 anos recém-completos do maestro Lincoln Olivetti, nome fundamental das produções boogie/funk concebidas em terra brasilis ao final dos anos 70 e ao longo da primeira metade dos 80. O resultado é uma mistura de faixas clássicas e obscuras do gênero, e um belíssimo e pra lá de versátil panorama da produção e da importância histórica de mister Olivetti. Ouça, baixe, divulgue!

08/06/2014, por Pedro Pinhel - nenhum comentário

maxresdefault

Compilação lancada em 2009 pela sempre atenta Analog Africa, “Legends of Benin” (2009) reúne gravações de 4 artistas do país africano em questão entre os anos de 1968 e 1981: Antoine Dougbé, El Rego Et Ses Commandos, Honoré Avolonto e Gnonnas Pedro & His Dadjes Band. Tudo absolutamente frenético e dançante, embora o som de cada artista tenha suas próprias características e cadências. Indicado ao OPS pelo entusiasta Ramiro Zwetsch, que comanda com pompa e circunstância a nave-mãe Radiola Urbana e a Safári, festa mensal especializada em música africana que rola no Boteco Pratododia. Baixe este clássico no iTunes aqui, e corra atrás do LP, porque trata-se de material da melhor qualidade!

  1. Gnonnas Pedro et ses Dadjes – Dadje Von O Von Non
  2. El Rego et ses Commandos – Feeling You Got
  3. Antoine Dougbé – Honton Soukpo Gnon
  4. El Rego et ses Commandos – E Nan Mian Nuku
  5. Honoré Avolonto – Tin Lin Non
  6. Gnonnas Pedro et ses Panchos – Okpo Videa Bassouo
  7. Antoine Dougbe et Orchestre Poly-Rythmo – Ya Mi Ton Gbo
  8. Antoine Dougbé – Nou Akuenon Hwlin Me Sin Koussio
  9. Honoré Avolonto – Na Mi Do Gbe Hue Nu
  10. El Rego et ses Commandos – Vimado Wingnan
  11. Honoré Avolonto et Black Santiago – Dou Dagbé We
  12. El Rego et ses Commandos – Djobimé
  13. Antoine Dougbé – Kovito Gbe De Towe
  14. Gnonnas Pedro et ses Dadjes – La Musiça en Verité

05/06/2014, por Pedro Pinhel - 1 comentário

Já está disponível pra streaming, download e whatnot a segunda parte do projeto Yasiin Gaye, “Yassin Gaye: The Return (Part II)”. A produção do maroto Amerigo Gazaway mistura no mesmo balaio grooves, vozes, beats e samples de ninguém menos do que Yasiin Bey – a.k.a. Mos Def – e Marvin Gaye, e o resultado vossa senhoria já deve ter conferido anteriormente. Baixe antes que o Big Brother tire do ar!

05/06/2014, por Pedro Pinhel - nenhum comentário

Mestre supremo das mixtapes malandras e discotecagens antológicas, o Dj e produtor J.Period (que já esteve por aqui homenageando Michael Jackson e Q-Tip, entre outros feras-neném) acaba de tirar do forno a suingadíssima “(…) Presents… The Legacy of JB”, ode de oitenta minutos ao ícone maior do soul-funk interplanetário, mister James Brown. O infortúnio: J.Period não disponibilizou a mix para download, fato que obriga vossa senhoria a degustar tão somente o streaming da pérola em si, mas olhemos para o copo cheio; é James Brown, é J.Period, e é imperdível. Boa sorte, e boa viagem!

05/06/2014, por Pedro Pinhel - nenhum comentário

url1

Possivelmente o melhor e mais coeso disco de rap lançado no ano de 2014, “Piñata” (Madlib Invazion) é resultado da bem-vinda colaboração entre o MC Freddie Gibbs e o prolífico produtor Madlib. A produção do Beat Konducta é impecável, como aliás não poderia deixar de ser, e faz a cama ideal pro talentoso Freddie Gibbs deitar e rolar. Os destaques do OPS são a ótima Deeper, cujo vídeo vossa senhoria confere logo abaixo, e a curiosa Knicks, em que Gibbs (nascido em Indiana e provável fã dos Pacers) sacaneia o escrete de Nova York e as constantes derrotas e temporadas frustradas – ele cita 95 e Michael Jordan, e ’05 e Lebron James. Disco de rap como já não se faz mais, e ótima pedida pros órfãos do gênero.

  1. Supplier
  2. Scarface
  3. Deeper
  4. High feat Danny Brown
  5. Harold’s
  6. Bomb feat Raekwon
  7. Shitsville
  8. Thuggin’
  9. Real
  10. Uno
  11. Robes feat Domo Genesis And Earl Sweatshirt
  12. Broken feat Scarface
  13. Lakers feat Ab-Soul And Polyester The Saint
  14. Knicks
  15. Shame feat BJ The Chicago Kid
  16. Watts feat Big Time Watts
  17. Piñata

04/06/2014, por Pedro Pinhel - nenhum comentário

capacompacto_russo

Opa! Novidade das boas na área! O músico e compositor baiano Russo Passapusso (Baiana Soundsystem / Ministereo Público) acaba de chegar com os dois pés na porta, lançando o compacto das músicas Paraquedas e Flor de Plástico. As faixas são os primeiros lançamentos de “Paraíso da Miragem”, disco prometido para agosto de 2014, e podem ser baixadas de grátis no próprio site do Russo. Acompanhado pelos músicos paulistanos Curumin, Zé Nigro e Lucas Martins, responsáveis pela produção do álbum, mista Passapusso faz show de lançamento do sete-polegadas dia 26 (segunda-feira) na Serralheria Guaicurus, em São Paulo. Vossa presença no show, que deverá ser concorrido, deve ser feita aqui. A capa do disquinho é assinada pelo compa Ricardo Magrão, que costuma acertar a mão quando o assunto são capas de disco. Fique ligeiro!

23/05/2014, por Pedro Pinhel - nenhum comentário

logoVCP2014

Que honra! O OPS é um dos Djs convidados da Virada Cultural Paulista 2014, e vamos girar nossas pepitas de 7 e 12 polegadas nas cidades de Caraguatatuba (24 e 25 de maio) e Assis (31 de maio e 1 de junho)! A ideia é levar um pouco de reggae e música brasileira pra abrir os shows de artistas que admiramos e somos fãs, como a Wanderléa (em Caraguá), Moraes Moreira e os amigos do Metá Metá (em Assis). Pra saber mais sobre a programação da Virada, clique nos links acima e prestigie sua cidade!

13/05/2014, por Pedro Pinhel - nenhum comentário

a2021497202_10

“Afropolitan Dreams” (Jakarta Records, 2014) é um dos melhores lançamentos de 2014 até o presente momento, e o rapper ganês Blitz The Ambassador é uma das principais atrações da Virada Cultural, que rola nos dias 17 e 18 de maio no centro de São Paulo. Vivendo em NYC desde 2000, o MC é um dos grandes expoentes africanos do gênero, e a azeitada mistura de rap e afrobeat presente em sons como a hipnótica Make You No Forget, parceria com Seun Kuti (confira no vídeo abaixo!), são o grande trunfo do músico. A diáspora africana parece muito bem representada na música do artista, e o retrato cru da periferia de Accra mostrado no vídeo chama a atenção para os notórios problemas enfrentados pelos africanos desde que o mundo é mundo. A energia do filme, no entanto, é tão f@da que dá vontade de sair dançando por aí. Boa, Blitz!

  1. The Arrival
  2. Dollar and a Dream
  3. Sucess
  4. Internationally Known (feat. Sarkodie)
  5. Love on the Run (feat. Nneka)
  6. Call Waiting (feat. Angélique Kidjo)
  7. One Way Ticket
  8. Traffic Jam (Interlude)
  9. All Around the World (feat. Marcelo D2)
  10. Make You No Forget (feat. Seun Kuti)
  11. Africa Is the Future (feat. Oxmo Puccino, Oum & Blinky Bill)
  12. The Departure (feat. Amma Whatt)

13/05/2014, por Pedro Pinhel - nenhum comentário

atmosphere-southsiders

Outro disco novo?! Wow. Nem tá parecendo 2014…

“Southsiders” (Rhymesayers) é o mais novo disco do Atmosphere, duo de Minneapolis formado pelo MC Slug e pelo produtor Ant. A agressividade e o cinismo white trash característicos de álbuns como “Seven’s Travels” (2003) e “You Can’t Imagine How Much Fun We’re Having” (2005, e favorito do OPS) já não parecem mais ser os carros-chefes do Atmos; a fase quase-spoken-word, com beats mais suaves e BPMs pra lá de lentos iniciada no disco “When Life Gives You Lemons You Paint That Shit Gold”, de 2008, passou a ser a marca registrada da dupla. A ironia obviamente ainda está presente, mas a idade, a possivel melhora significativa da conta bancária, o conforto adquirido após um punhado de discos bem-sucedidos, a paternidade e o frio de Minnesota parecem ter domesticado e suavizado o discurso do rapper, e a Marcelodedoização do Atmosphere se torna um processo inevitável; como verbalizar a indignação e os anseios característicos do velho Slug, se esse cara não existe mais? O jeito é relaxar e curtir as ótimas produções de Ant, e aproveitar que alguém ainda cogita fazer discos de rap minimamente relevantes em pleno século 22…

  1. Camera Thief
  2. Arthur’s Song
  3. The World Might Not Live Through the Night
  4. Star Shaped Heart
  5. I Love You Like A Brother
  6. Southsiders
  7. Bitter
  8. Mrs. Interpret
  9. Fortunate
  10. Kanye West
  11. We Ain’t Gonna Die Today
  12. My Lady Got Two Men
  13. Flicker
  14. January On Lake Street
  15. Let Me Know That You Know What You Want Now

13/05/2014, por Pedro Pinhel - nenhum comentário

capa_NZ_artefinal_OK

Primeiro lançamento de inéditas da Nação Zumbi em 7 anos, “Nação Zumbi” é, ao menos na prepotente e praticamente inflexível opinião do OPS, o melhor dos últimos 3 discos da melhor banda do Brasil. O grande intervalo parece ter feito bem à NZ, e o resultado se traduz em 11 faixas – umas mais inspiradas, outras menos – que traduzem o espírito dos músicos e o atual momento das vidas de Jorge DuPeixe, Lucio Maia, Dengue e Pupillo, quarteto responsável pela composição de 100% do álbum. O OPS sugere a infalível sequência-miolo Defeito Perfeito, A Melhor Hora da Praia (que conta com participação especial de Marisa Monte), Um Sonho e Novas Auroras, melhor momento do disco. Nosso CEO Pedro Pinhel teve a honra de fazer parte, ao lado do compa Ricardo Magrão, da criação do projeto gráfico deste lançamento; uma honra e, acima de tudo, um grande prazer. Lançamento mais do que bem-vindo em um momento complicado da falida indústria fonográfica, e canditado óbvio a disco brazuca de 2014. Baixe o disco no iTunes e confira com seus próprios tímpanos!

  1. Cicatriz
  2. Bala Perdida
  3. O Que Te Faz Rir
  4. Defeito Perfeito
  5. A Melhor Hora Da Praia
  6. Um Sonho
  7. Novas Auroras
  8. Nunca Te Vi
  9. Foi De Amor
  10. Cuidado
  11. Pegando Fogo

13/05/2014, por Pedro Pinhel - nenhum comentário

PCLC7014CD

Certamente um dos melhores lançamentos de rap do ano – o que não chega a significar um grande feito num ano em que P#&*A nenhuma é lançada, “12 Step Program” é o novo e aguardado disco do duo angeleno People Under The Stairs. Favorito da casa, o PUTS continua a acreditar no gênero e, de forma independente, concebeu “12 Step (…)” sem alarde e se envolvendo pessoalmente em cada uma das etapas do lançamento, da produção à entrega online de LPs e – pasme – fitas cassete, produzidas em versões limitadas e altamente desejadas. Exímio produtor e ótimo MC, Chris “Thes One” Portugal faz a diferença na produção do LP, que se não está à altura dos melhores momentos da dupla, é sem dúvida um ótimo de rap. O OPS recomenda a faixa Umbrellas, que sampleia Tudo Que Você Podia Ser, do Clube da Esquina, e figura entre as mais interessantes da bolacha. Sempre na base do bom humor, marca registrada do PUTS, o disco tem momentos como a engraçada Breakup Music, em que Thes e Double K sugerem, fazendo uso pesado de samples de funk e R&B dos 70 e 80, a música ideal para o término de relacionamentos em geral. Garanta a sua cópia!

  1. Roundabouts
  2. Ste. For Reefer
  3. 1 Up Til Sun Up
  4. Cool Story Bro
  5. The Strand
  6. LA Nights
  7. Get Hip
  8. Pictures On My Wall
  9. Breakup Music
  10. Yes I Can
  11. Umbrellas
  12. Doctor Feelgood

13/05/2014, por Pedro Pinhel - nenhum comentário

FN16_OK_baixa_OPS

Dia 23 de maio (sexta-feira) é dia de mais uma edição da festa Funky Nuggets, parceria entre o Boteco Pratododia e os discotecários Peba Tropikal (Veneno Soundsystem) e Pedro Pinhel (Original Pinheiros Style), e uma das únicas – quiçá a única! – festas do(s) gênero(s) em São Paulo nos dias de hoje. O tema da edição é o funk e o soul concebidos na Jamaica durante a era de ouro da música da ilha caribenha, com belas (e antológicas) versões, grandes clássicos autorais e todo o legado de uma das nações mais funky do planeta Terra e região. Para isso contamos com um convidado de respeito, o especialista Alex Jurassico (You&Me On A Jamboree/Jurassic Soundsystem), que promete um set específico de funk jamaicano e todas as suas vertentes, como o soul, o R&B e a disco music. O seletor fará seu primeiro set no Boteco Pratododia, e a ocasião não poderia ser mais especial. Cada vez mais azeitado e cheio de novas velhas pepitas garimpadas com afinco, o som da Funky Nuggets é um passeio por clássicos e obscuridades do universo funk-disco-boogie estadunidense, brasileiro, afro-latino, jamaicano e whatnot. Tudo em bolachas de 12 e 7 polegadas, para uma mais completa experiência estereofônica por parte de vossa excelência. Como já é de costume, o rendez-vous acontece a partir das 23h no já clássico e agora reformado Boteco Pratododia (Barra Funda boulevard, 34), e vossa entrada custa módicas 10 patacas. All night long style! A carta de cervejas do Boteco é impecável, e os preços continuam sendo os mais honestos do eixo centro-oeste da capital. Como de costume, suculentas porções dos já famosos Funky Nuggets serão servidas ao longo da noite. A iguaria é cortesia dos discotecários aos famintos funk freaks. Ah! A partir desta edição, a Funky Nuggets passa a ser produzida pela expert Lys Ventura, que é agora oficialmente a produtora das 4 sextas-feiras do Boteco. Bem-vinda, Lys! Vem que tem! Aqui tem FUNK!

12/05/2014, por Pedro Pinhel - nenhum comentário

2zqcsr4

Descoberto casualmente pelo OPS, o disco “Rough & Rugged” é, aparentemente, um tratado de dancehall concebido pelo rapper/músico jamaicano Shinehead no quase distante ano de 1986. O grande clássico do disco, porém, não está presente no corte/edição do CD (está incluído apenas no LP original de ’86); trata-se da version do artista para o hit interplanetário Billie Jean, do finado Michael Jackson. Ainda assim, o álbum conta com a fodástica faixa-título, hino do gênero (Rough And Rugged está presente também na fundamental compilação “100% Dynamite NYC”, tratado de dancehall lançado pela espertalhona Soul Jazz Records há pouco mais de uma década). Isso sem falar nas ótimas versões de Who The Cap Fit e de Lady In My Life, que blablablablabla. Corra atrás de uma cópia do LP para vossa senhoria e seja feliz!

  1. Good Love Tonight (Adapt)
  2. Answer Me
  3. Golden Touch
  4. Rough & Rugged
  5. Know Fe Chat
  6. Who the Cap Fit
  7. Lady In My Life

20/03/2014, por Pedro Pinhel - nenhum comentário

Disponibilizada pelo site da Waxpoetics em janeiro, a mix AOR foi concebida pelo músico e colecionador-aficionado-entusiasta brazuca Ed Motta apenas com sons que o influenciaram no processo de criação de seu mais recente álbum, AOR. O bom gosto de Ed fica explícito na escolha de faixas e artistas – gente do quilate de Christopher Cross, Steely Dan, Doobie Brothers, Alessi Brothers – e o resultado pode ser degustado em pouco mais de uma hora da fina flor do boogie, da light disco, do R&B e do pós-funk brasileiro e interplanetário, disponível inclusive para download. Confira imediatamente!

20/03/2014, por Pedro Pinhel - nenhum comentário

WIWO

Compreensivelmente hypado pelo selo Luaka Bop e por übber hipsters do quilate de Devendra Banhart e Damon Albarn (dois nomes que debutam e encerram carreiras neste exato momento aqui no OPS), o LP triplo “Who Is William Onyeabor” caiu como uma bomba atômica por aqui – ou Atomic Bomb, nome da hipnótica segunda faixa desta compilação de singles do misterioso músico nigeriano que parece ter criado música digital com o uso dos analógicos sintetizadores e demais apetrechos sonoros disponíveis nos anos 70. Claro, vossa senhoria será agraciada com o clássico caldeirão de world music, afrobeat, highlife e aquela conversa de sempre, mas a loucura aqui é o pique eletrônico (!) que poderia ter facilmente sido criado por moderninhos como a dupla Chromeo e outros genéricos nesta linha. O que não deve em hipótese alguma ser visto como um demérito, já que trata-se de música maluca da melhor qualidade. Corra atrás do LP, baixe o mp3 e tire suas próprias conclusões!

  1. Body and Soul
  2. Atomic Bomb
  3. Good Name
  4. Something You Will Never Forget
  5. Why Go to War
  6. Love Is Blind
  7. Heaven and Hell
  8. Let’s Fall in Love
  9. Fantastic Man

14/03/2014, por Pedro Pinhel - nenhum comentário

LS_B_OST

“Bullitt” é a trilha sonora do filme homônimo de 1968, composta pelo compositor, pianista e arranjador argentino Lalo Schifrin. O filme é estrelado pelo então galã Steve McQueen, e faz referência a perseguições automobilísticas implacáveis na bonita cidade de San Francisco. Curiosamente, as versões presentes no LP são adaptações “mais pop” (!) das músicas executadas no filme, “cortesia” dos diretores da película, que solicitaram ao músico petardos mais palatáveis ao gosto popular. Sorte a nossa, já que o disco é considerado uma obra-prima – o mesmo pode ser dito do filme, que (pasme) ainda não foi visto pelo OPS. A boa notícia, entretanto, é que podemos assisti-lo no NetFlix braziliano a qualquer momento. A trilha vossa excelência pode pegar aqui. O filme é por vossa conta. Divirta-se!

  1. Bullitt, Main Title (Movie Version)
  2. Shifting Gears
  3. Ice Pick Mike (Movie Version)
  4. Cantata for Combo
  5. Room 26 (Movie Version)
  6. On the Way to San Mateo
  7. Just Coffee
  8. Main Title (Record Version)
  9. The Aftermath of Love
  10. Ice Pick Mike (Record Version)
  11. Hotel Daniels
  12. Bullitt, Guitar Solo
  13. The First Snow Fall
  14. Room 26 (Record Version)
  15. The Architect’s Building
  16. Song for Cathy
  17. Music to Interrogate By
  18. End Credits

)

13/03/2014, por Pedro Pinhel - nenhum comentário

JD_QeQ

Lançado há exatos 40 anos, justamente celebrado e devidamente homenageado nos dias de hoje e amanhã, o clássico LP “Quem É Quem” (EMI/Odeon, 1973) é discutivelmente a obra-prima da carreira do mitológico pianista, acordeonista, arranjador e cantor (!) João Donato. Dois shows no SESC Pompéia, com curadoria do jornalista Ronaldo Evangelista, apresentarão de cabo a rabo o clássico de JD, com direito a banda de apoio formada por alguns dos músicos do combo paulistano Bixiga70. Petardos como Amazonas, A Rã e o hit brazuca Cala Boca Menino serão apresentados pela primeira vez como unidade ao vivo, e os afortunados detentores de ingressos poderão degustar um dos grandes álbuns da música popular brasileira esmiuçado e revisitado (o OPS tem bronca da palavra revisitado, mas não encontrou um sinônimo mais digno). Será que ainda dá tempo? Corra atrás do seu!

  1. Chorou, Chorou
  2. Terremoto
  3. Amazonas
  4. Fim De Sonho
  5. A Rã
  6. Ahiê
  7. Cala Boca Menino
  8. Nãna Das Aquas
  9. Me Deixa
  10. Até Quem Sabe?
  11. Mentiras
  12. Cadê Jodel

27/02/2014, por Pedro Pinhel - nenhum comentário

photo_OPS

Quinta-feira (20 de fevereiro) é dia da décima (!) edição da festa OPS no Boteco, parceria entre o site Original Pinheiros Style e o Boteco Pratododia. O bate-coxa rola no já clássico e agora reformado Boteco Pratododia (Barra Funda boulevard, 34) a partir das 20h e a ideia da festa é receber, a cada edição, um Dj, discotecário ou colecionador do universo soul-funk-disco-jazz-reggae-hip-hop-afro-latino-rap-whatnot. Tudo à moda antiga, em bolachas de 7 e 12 polegadas. Para esta edição pré-carnavalesca, o OPS tem a honra de receber o Dj e amigo mexicano Carlos TropicAza, referência absoluta no planeta Terra e adjacências quando o assunto são os gêneros tropicais – cumbia e todas as suas vertentes latino-americanas. Além de Dj, Carlos é músico e um exímio colecionador de pepitas de 12 e 7 polegadas – não pense vossa senhoria que o gosto do cara se limita aos ritmos tropicalientes; ele tem bastante apreço por música brasileira, rap, soul, funk, música africana e reggae, embora seu case que visitará nossa nação venha recheado “apenas” de sons latinos e tropicais. O OPS teve o prazer de girar discos de música brasileira ao lado do Dj em terras mexicanas, D.F. style, e recomenda: prepare a sola de vossos calçados, porque o ritmo é frenético! Vai perder essa? Vosso acesso ao evento custa os tradicionais e mais do que modestos R$10, a cerveja estará gelada como sempre, e os amigos são sempre bem-vindos!

16/02/2014, por Pedro Pinhel - nenhum comentário

FN13_OK_OPS

Dia 14 de fevereiro (sexta-feira) é dia de comemorar o primeiro aniversário da festa Funky Nuggets, parceria entre o Boteco Pratododia e os discotecários Peba Tropikal (Veneno Soundsystem) e Pedro Pinhel (Original Pinheiros Style), e uma das únicas – quiçá a única! – festas do(s) gênero(s) em São Paulo nos dias de hoje. O convidado para embalar as festividades vindouras é o experiente DjNiggas, membro-fundador e braço paulistano do Vinil É Arte, coletivo que é referência no país quando o assunto são discotecagens 100% vinil. Cada vez mais azeitado e cheio de novas velhas pepitas garimpadas com afinco, o som da Funky Nuggets é um passeio por clássicos e obscuridades do universo funk-disco-boogie estadunidense, brasileiro, afro-latino, jamaicano e whatnot. Tudo em bolachas de 12 e 7 polegadas, para uma mais completa experiência estereofônica por parte de vossa excelência. Como já é de costume, o rendez-vous acontece a partir das 23h no já clássico e agora reformado Boteco Pratododia (Barra Funda boulevard, 34), e vossa entrada custa módicas 10 patacas. All night long style! A carta de cervejas do Boteco é impecável, e os preços continuam sendo os mais honestos do eixo centro-oeste da capital. Como de costume, suculentas porções dos já famosos Funky Nuggets serão servidas ao longo da noite. A iguaria é cortesia dos discotecários aos famintos funk freaks. Vem que tem!

07/02/2014, por Pedro Pinhel - nenhum comentário

PD_QVPB

Obra-prima do soulman Paulo Diniz na humilde porém petulante opinião do OPS, “Quero Voltar Pra Bahia” (Odeon, 1970) apresenta ao mundo a clássica faixa-título, Quero Voltar Pra Bahia, um verdadeiro hino à época de seu lançamento (I don’t want to stay here / I wanna to go back to Bahia…). Altamente recomendado para colecionadores e diggers de música brasileira em geral, “Quero (…)” apresenta ainda a suingada Piri Piri, ótima para chacoalhar esqueletos e bumbuns naquela sua festinha descolada e cheia de gente bonita. Caso vossa senhoria se interesse pelo talento de Paulo Diniz, há uma série de discos do cantor disponíveis por aí; O OPS recomenda todos os títulos lançados entre 1969 e o meio da década de 70. Tudo coisa finíssima. Quem sabe logo menos não aparecem outros títulos por aqui?

  1. Piri Piri
  2. Um Chope Pra Distrair (Chope Duplo)
  3. Ninfa Mulata
  4. Quero Voltar Pra Bahia
  5. Felicidade
  6. Marginal III
  7. Chutando Pedra
  8. Chega
  9. Canseira
  10. Ponha Um Arco-Iris Na Sua Moringa
  11. Me Leva
  12. Sujeito Chato

03/02/2014, por Pedro Pinhel - nenhum comentário

TICvol1

Quando o assunto é reggae, o selo jamaicano Treasure Isle é sempre um favorito do OPS; “importada” para Londres nos anos 70, a marca que deu origem à folclórica Trojan Records foi na verdade uma fábrica de talentos, ritmos e criatividade; a coletânea “Treasure Isle Collection vol. 1″ apresenta ao ouvinte um pout-pourri do melhor material disponibilizado pela gravadora na segunda metade dos anos 60 – o característico rocksteady/early reggae que para muitos – OPS incluído – é o melhor momento da música do carismático país caribenho. Confira imediatamente! Altamente indicado para leigos no assunto – compilações são a forma perfeita de se descobrir um gênero, um selo ou um determinado artista – e uma ótima viagem para especialistas e apaixonados em geral.

27/01/2014, por Pedro Pinhel - nenhum comentário

1259100512rephlektorlist_SpinnaCoverSmall_1

WOW! “Dj Spinna presents The Boogie Back – Post Disco Club Jams (BBE, 2009)” é simplesmente a melhor compilação de boogie já feita pelo ser humano – ao menos na sempre presunçosa opinião do OPS. Cuidadosamente selecionada pelo especialista Dj Spinna, a coleta bate forte nos clássicos e obscuridades pós-disco, e o resultado são 19 sacolejantes faixas que podem salvar aquela festa chata de uma hora pra outra. A influência do disco-funk é clara em absolutamente todos os petardos, e o LP triplo seria perfeito se não fosse por um pequeno detalhe – o preço. Interessou? Tá com bala na agulha? Vai lá.

27/01/2014, por Pedro Pinhel - nenhum comentário

BRAND NEW WAYO (CRZR 1001) jacket

Lançada em 2011 pelo selo norte-americano Comb&Razor Sound, a compilação “Brand New Wayo: Funk, Fast Times & Nigerian Boogie Badness 1979-1983″ é uma absurda amostra de quão fervilhante foi a cena pós-disco / boogie nigeriana ao final dos anos 70 e início dos 80. Genericamente classificado como “boogie nigeriano”, o som extrapola as definições simplórias e superficiais, e mistura no mesmo caldeirão funk, afrobeat, soul-jazz, disco e boogie. A qualidade das gravações é impecável, e a influência é claramente americana. É ouvir para crer. Quer uma cópia? No Discogs tem várias…

23/01/2014, por Pedro Pinhel - nenhum comentário

Mixtape de funk, soul, disco e boogie brazuca concebida pelos Nuggeteers Peba Tropikal (Veneno Soundsystem) e Pedro Pinhel (Original Pinheiros Style) com o providencial auxílio do versátil Dj Niggas na contenção. 100% vinil, 94,3% em 7 polegadas. A mix é um teaser do que rolou, rola e continuará rolando na festa Funky Nuggets, que acontece uma vez por mês no Pratododia (rua Barra Funda, 34 – SP). Ouça!

20/01/2014, por Pedro Pinhel - 1 comentário

FN12_OK_OPS

Primeiro episódio da segunda temporada! Dia 31 de janeiro (sexta-feira) é dia da décima segunda edição da festa Funky Nuggets, parceria entre o Boteco Pratododia e os discotecários Peba Tropikal (Veneno Soundsystem) e Pedro Pinhel (Original Pinheiros Style). O convidado da vez é o versátil Lucas Barata a.k.a. Dj Barata, que há mais de meia década chacoalha o esqueleto dos party freaks de Campinas e região ao som da fina flor do samba-funk-soul-jazz em (animadas) festas como a Nervosa! e a Música Pra Ver Maria Sambar – ambas ótimas referências alternativas em CPS. Cada vez mais azeitado e cheio de novas velhas pepitas garimpadas com afinco, o som da Funky Nuggets é um passeio por clássicos e obscuridades do universo funk-disco-boogie estadunidense, brasileiro, afro-latino, jamaicano e whatnot. Tudo em bolachas de 12 e 7 polegadas, para uma mais completa experiência estereofônica por parte de vossa excelência. O rendez-vous acontece a partir das 23h no já clássico e agora reformado Boteco Pratododia (Barra Funda boulevard, 34), e vossa entrada custa módicas 10 patacas. All night long style! A carta de cervejas do Boteco continua impecável, e os preços continuam sendo os mais honestos do eixo centro-oeste da capital. Como de costume, serão servidas suculentas porções dos já famosos Funky Nuggets. A iguaria é cortesia dos discotecários aos famintos funk freaks. Vem que tem! Aqui tem FUNK!

17/01/2014, por Pedro Pinhel - nenhum comentário